30/03/2016

Sensibilidade

Activa a tua sensibilidade. Activa a tua máxima sensibilidade. Para que percepciones tudo ao teu redor. Para que percebas os sinais. Para que entendas que os sinais não são visíveis, pois acontecem principalmente no teu sistema energético.

Percepciona tudo com a tua máxima sensibilidade. Chora, se for preciso, mas chora de emoção, nem sempre o choro é de dor. Activa a tua máxima sensibilidade para compreenderes o que está a acontecer. Porque o que está a acontecer está para além das palavras, dos sons, das formas. O que está a acontecer é energia pura.

Activa a tua máxima sensibilidade. Aceita-a. Ser sensível é um dom. E quando te reconheceres como ser sensível, só nessa altura, vem cá acima. Recebe a minha energia como uma bênção. E vais ver que a partir daí a vida vai deixar de ter mistérios. 

Alexandra Solnado

29/03/2016

Subir

Ouve os sinos a tocar. Ouves? Eles estão a chegar, para anunciar que já estás preparado para a próxima jornada. Para o próximo plano. Para o próximo patamar. Não, não vais morrer. Vais apenas aí, nessa vida, subir de nível. Subir de frequência.

Todas as tuas células estão a vibrar mais depressa, fruto das experiências que tens tido e da consequente purificação que tens sofrido. O mundo energético está pronto para te fazer subir, lá para o alto, a nível de frequência vibracional. E lá em cima, talvez até te seja mais difícil viver, visto continuares aí em baixo, no quotidiano da matéria. Mas esse é o desafio. Uma conduta energética exemplar.

Não ajeites as coisas só porque ficas mais confortável. Encara os teus medos. Não tentes controlar os acontecimentos. Não controles as pessoas, não manipules. Nunca faças nada de que não te orgulhes. Estes são os meus conselhos de sábio ancião para que possas viver aí em baixo de uma maneira espiritualmente saudável.

E, mais do que tudo, encontra a tua essência. Torna-a uma prioridade da tua vida. Fala com ela e ouve o que ela quer. E se começares a perceber que ela te faz feliz, avança. Não tenhas medo. Pode ser uma das raras ocasiões em que te é dada a conhecer a tua alma. 

Alexandra Solnado

16/03/2016

O que te move?

Qual é o teu compromisso? Com quem é o teu compromisso? O teu compromisso é com o teu ego, que te pode dar as coisas que tanto aprecias como dinheiro e bens materiais? É com ele o teu compromisso? É por isso que corres? É isso que te move?

Ou é com a tua alma? É por ela que vives, é a ela que escolhes a cada minuto da tua vida… Escolhes essa paz, essa tranquilidade, essa sensação de que tudo está no seu lugar? Por mais que doa, por mais difícil que seja, sabes que é por ela que aceitas viver a realidade dos teus dias, é por ela que rejeitas a ilusão e procuras a verdade. … Sempre a verdade.

Com qual deles é o teu compromisso? Com a tua mente, que quer que tu acredites que tudo vai ficar bem, desde que ignores a dor diária do teu peito… Ou com a tua essência, que pede que chores a dor hoje para que amanhã fiques realmente melhor… verdadeiramente bem.

Com qual é o teu compromisso? Com o teu eu externo que quer roupas caras, carros e casas invejáveis e uma posição social sólida… Ou com o teu eu interno que apenas quer amor, apenas quer amor e apenas quer amor… O amor incondicional que envio aqui de cima, e que quando toca o teu coração, fá-lo ficar marcado para sempre?

Com quem é que te comprometes realmente? Eu nunca vou criticar essa escolha, por pior que pareça, eu respeito a tua escolha, respeito sempre e eternamente todas as tuas escolhas. Mas quero saber. Só quero saber. Qual é o teu compromisso?

Alexandra Solnado

09/03/2016

Risco

Maiores riscos podem atrair as maiores recompensas. Cada risco que corres tanto pode ser a tua glória, como pode ser o teu fracasso. Depende de como encaras esses riscos. Se avançares de fora para dentro, numa perspectiva materialista do risco – do que ele te vai trazer –, se encarares o risco com controlo, a rever antecipadamente todos os benefícios que daí advirão...

Se avançares com a mente embrenhada no resultado, naturalmente que nada vai acontecer, visto que colocaste a tua energia não na acção em si, mas no seu resultado. O foco está no futuro, portanto. Esse futuro não te pertence e não gosta que o pressionem, que o prevejam, que o controlem. E como a tua própria perspectiva em relação aos resultados é alta, quando a realidade piorar os resultados, eventualmente irás desiludir-te.

Olhando por outro prisma. Quando arriscas porque tens uma grande inspiração; quando realmente vem de dentro; quando estás no presente e a vida te pede para que arrisques... Quando estás tão centrado que não consegues conceber fugir do risco... Quando compreendes que a sociedade em que vives e os homens que a compõem não devem viver nem mais um minuto sem essa tua realização...

Quando, e apesar do risco não ser tão grande assim, tens vontade de arriscar, por nós, povo do céu, para que cheguemos melhor às pessoas...Se o teu arriscar abrir caminhos, iluminar almas, confortar corações, der sentido à vida, emocionar as pessoas, e principalmente, te fizer feliz... Avança. Está na hora. Tudo se conjuga e harmoniza. Arrisca. Sempre foram os bons e grandes riscos que construíram as grandes pontes para o futuro.


Alexandra Solnado