22/03/2017

O portal oculto do Sonho

Os sonhos que temos à noite são extremamente importantes. São um portal para uma outra dimensão oculta, inconsciente. É nesta dimensão que o mundo energético pode manifestar-se, para que a pessoa consciencialize questões que tem para resolver, ou sensações que tem para usufruir... porque também há sonhos bons.
Por isso, o facto de as pessoas quererem entender o significado dos seus sonhos é perfeitamente legítimo. Não só legítimo como evolutivo.
O problema é como é que fazem isso. Consultar dicionários de sonhos, dicionários de símbolos, ligar as imagens que viram a dormir com a sua realidade para tentar entender os sinais não é eficaz. Nunca foi. As pessoas ficam perdidas, sem entender. E quando acham que descobriram o significado, este é muito diferente da mensagem que a sua energia quer passar. Porque é baseado na mente lógica.
Esta lição de Jesus tem sido incrivelmente importante na minha vida:
– O problema dos dicionários dos sonhos, dos dicionários de símbolos, é que são demasiadamente generalistas. Uma imagem ou um símbolo estão diretamente ligados à compreensão que a própria pessoa tem dessa imagem ou símbolo. É impossível generalizar. Cada caso é um caso, cada pessoa é única e cada imagem é talhada para dar a essa pessoa a sensação do seu verdadeiro significado. Cada pessoa interpreta à sua maneira, por isso é impossível que um livro traga a explicação correta para todas as pessoas.
Claro que há símbolos universais, é verdade. Mas a coisa mais importante a entender num sonho é a dimensão emocional das imagens. Todos os símbolos estão ali para transmitir uma emoção.
Aprofundando: O sono é o mais próximo que o ser humano – o que não tem prática de Meditação – pode alcançar da dimensão energética, porque acede ao inconsciente. O inconsciente é tudo o que vocês são, mas que não sabem que são. Para tentares entender o que os teus sonhos te estão a querer dizer, para tentares alcançar essa outra dimensão oculta, faz o seguinte:
Quando acordares, antes mesmo de abrires os olhos, em vez de te focares nas imagens do sonho, foca-te na emoção que ele te deixou. Não é por acaso que vocês se esquecem dos sonhos, é mesmo para esquecer... o que interessa no sonho é a emoção que ele deixou. Em vez de ficares a tentar lembrar-te do sonho, da imagem do sonho – é um esforço que só ativa a tua mente – tenta ficar com a emoção que sentiste quando acordaste. A emoção que trazes do sonho, do sono. Fica só a sentir essa emoção, só a sentir e a fazê-la crescer.
Ela pode ser boa ou pode ser má. Se for boa, é uma bênção. Fá-la crescer o máximo possível, pois ela pode ser um grande combustível para o teu dia. Se a desprezares porque estás à procura da imagem do sonho, vais perder a bênção. Alimenta-a, aumenta-a, faz o teu corpo todo vibrar por ela e vais ver que ela vai alimentar o teu dia, a tua vida.
Se for uma emoção negativa, é porque há alguma dor bloqueada – que não estavas a conseguir alcançar – que está ativar -se e a pedir para ser drenada e processada. Para que faças o luto e a libertes. Muito provavelmente é uma dor de Vidas Passadas, ou que ainda não conheces, ou que já anda a martirizar-te há algum tempo, e à qual tu não tens dado a devida atenção.
Nesse caso, concentra-te nessa emoção negativa, fica aí, fá-la crescer. Concentra-a no teu peito, como se fosse uma bola preta de densidade.
Se prestares atenção a essa emoção pesada, dolorosa, se te relacionares com ela, se a fizeres crescer, vais acabar por envolver-te com ela, aceitá-la, chorá-la e consequentemente libertá-la. A única coisa que não deves esquecer é de – quando estiveres a chorar – colocar simbolicamente um tubo aspirador no teu peito para levar a densidade, a energia negativa que está a ser libertada.
A energia é como se fosse plasticina, nós podemos manipulá-la. Cada vez que choramos, devemos colocar um tubo aspirador simbólico no peito para levar essa energia negativa embora. Como se houvesse uma bola de plasticina preta no peito que o tubo aspirador leva lá para cima, para o Céu, para ser transformada em Luz. E como essa energia é nossa, depois de transformada em Luz vai voltar em forma de bênção.
– Cada vez que acordares, pensa no teu peito. Independentemente do sono que tiveste, do sonho que possas ou não ter tido. Vai ao teu peito e vê como é que ele está.
Tenta aceder ao que trouxeste do sono, sem te preocupares com as imagens. Depois, numa segunda fase até podes analisar se as imagens têm a ver com a emoção, pois também podem ser de uma Vida Passada. Mas para já, faz só isto.
Cada vez que te relacionas com uma emoção negativa, mesmo que a tenhas trazido de uma noite má, estás a libertar dor enclausurada, e a evitar que a vida tenha que te enviar uma experiência desagradável para que lhe dês importância. O sono é a primeira forma – a mais leve – que a vida tem de te trazer dores antigas e inconscientes para as processares e libertares. Se o conseguires fazer nessa altura, em que é só perda virtual*, – não há perdas materiais, não há problemas para resolver –, tudo é mais fácil. Se não te relacionares com essa dor do sono, se não a libertares, ela vai ficar aí. E sendo o teu sistema energético um íman, vais acabar por atrair uma situação problemática na vida, que vai ativar essa mesma dor no teu peito, para que faças esse mesmo processo. Se a dor está aí, se é antiga, vais ter que a libertar, não há nada a fazer. Ou a libertas quando a vida envia só a dor num son ho, por exemplo – e aí vais ter que ignorar o teu ego, aquele cuja voz fala dentro da tua cabeça:
– “Mas que disparate! Porque que é que acordei triste? Não aconteceu nada! Agora estou para aqui a chorar! Bora lá pensar noutra coisa que isto já passa!”
Ou então vais acabar por atrair uma situação desagradável, de perda, para que sintas essa mesma dor e lhe dês importância. Se te respeitares e processares essa dor quando acordas com um nó no peito, se a chorares e libertares quando ainda é só uma dor, ela vai sair do teu sistema energético e é muito menos provável que atraias uma perda na vida, alguma coisa que te faça ativar esta dor – pois ela já não está lá.
E se fizeres isto sempre – a cada sonho, a cada nó no peito ao acordar –, o que é que estás a fazer? Estás a adiantar-te à vida. Estás a colaborar com ela. Estás a processar e a limpar as tuas dores antes que a vida tenha que te trazer a perda. Esse é um dos motivos principais pelos quais eu digo:
– Viver a espiritualidade é uma das melhores formas de evitar as perdas na vida.
Porque com estes recursos podes adiantar-te às perdas. Limpas a dor antes que a vida venha e tenha que fazer esse trabalho na matéria. E concordas comigo que uma vida sem perdas é uma vida muito mais feliz.

in "Conexão - O que Jesus me ensinou"

A velocidade e o ritmo ...

Hoje em dia estamos cada vez mais preocupados em ter resultados rápidos, em sermos eficazes, produtivos, e em que as coisas aconteçam o mais rapidamente possível. É que, ao vê-las manifestarem-se, ao vê-las prontas, ativamos as hormonas do prazer e conseguimos eficazmente fugir da dor – o objetivo do ego.
Acontece que ao fazer as coisas muito aceleradamente, com prazos muito apertados, na tentativa de ter resultados muito rápidos e eficazes, nós cansamo-nos com muita facilidade.
É só observar toda uma sociedade que corre, corre, corre, e poucas pessoas realmente fazem as suas tarefas bem, com prazer, com energia elevada. Poucas alcançam os objetivos a que se propuseram. E o motivo principal para isso acontecer é o facto de nós fazermos as coisas sem a nossa vibração, apenas fazemos com a nossa mente, com a nossa cabeça. Nós pensamos o que vamos fazer, nós definimos estratégias, processos. Nós não sentimos. E o que é feito com a mente é estéril, feito em esforço, não tem energia. E quanto mais as pessoas sentem que o que estão a fazer não tem energia, mais ativam a mente e mais se obrigam, se exigem. Exigem-se a estar fora da sua energia original.
Claro que ninguém consegue ficar fora da energia original por muito tempo. O corpo não aguenta. E adoece. 
...
 in "Conexão - O que Jesus me ensinou"

08/03/2017

O que eu quero e O que eu preciso...

O Céu não nos dá o que queremos. O Céu dá-nos o que precisamos.
O nosso ego faz com que nós queiramos coisas. Nós achamos que se acontecer uma determinada coisa os nossos problemas se vão resolver. Nós achamos que se uma determinada situação se concretizar tudo se vai resolver. Na realidade quem “acha” é o nosso ego, porque o nosso ego, sendo uma força de sobrevivência e tendo como função proteger-nos da dor, vai sempre tentar encontrar a solução para todos os nossos dilemas. E porque é que ele quer sempre encontrar a solução de tudo? Para que não doa.
Ora a vida tem como função levar-nos para o caminho evolutivo. E se a nossa evolução passar por ir chorar aquela dor para libertar aquele Karma? Como é que podemos obedecer ao ego e fugir da dor? Não faz sentido.
Sendo um Karma uma dor da qual não se fez o luto, e se a função da vida agora, neste minuto, é levar-me a aceder a essa dor, naturalmente que a vida não me vai trazer o que eu quero – sendo que o que quero é fugir da dor. A vida vai trazer-me precisamente a dor. A vida vai trazer o que eu preciso para evoluir.
E o que é que eu tenho que fazer? Obedecer ao ego, bloquear, entrar em negação, negar a dor? Ou encará-la, chorá-la, libertá-la, drená-la para que ela se vá embora? Sabendo que aí, sim, tudo se vai resolver?
Para mim a explicação é clara, quando Jesus diz:
– As pessoas não sabem do que precisam. Elas acham que precisam de uma coisa, mas normalmente essa coisa é o oposto do que elas realmente precisam. Elas procuram determinadas coisas, mas é tudo para fugir da dor. Quando na realidade vocês só vão resolver um problema quando encararem a dor ou o medo que ele provoca. É a única forma definitiva de resolver um problema. Qual é a solução? A solução é vocês se renderem, considerarem que não sabem. Uma das melhores formas de desativar o ego é considerarem que não sabem o que é melhor para vocês. É olharem para o Céu, renderem-se, e dizerem
– Que venha o que for melhor para todos.
Pararem de pedir coisas. As pessoas fazem novenas, promessas, para que aconteça o que elas querem. Sendo que o que elas querem é fugir da dor. Isso é fazer chantagem com o Céu.
– Se eu fizer uma novena, tu dás-me o que eu quero?
Chantagem pura. Há muitas pessoas que até conseguem que os seus pedidos se realizem, mas é por outros motivos: Já ia mesmo acontecer. Não é pela promessa.
Ou
Uma pessoa pode fazer uma novena, ou uma promessa, e como acredita muito que a promessa vai funcionar, de repente começa a ter a vibração de que a coisa já está a acontecer. Sendo a vida um eco, a vida vai devolver a vibração, a situação já a manifestar-se.
Por isso, sempre que quiseres muito uma coisa, sempre que achares que alguma coisa, situação ou pessoa te vai fazer imensamente feliz, para tudo. Respira profundamente. Olha para o Céu, tranquilamente, e diz:
– Eu gostava muito, mas... se não for para mim, eu prescindo. Eu solto. Eu entrego. Não é preciso. Mas se for para mim, se tiver a ver com a minha energia, então que venha! Que venha logo! Que venha tudo!
in "Conexão - O que Jesus me ensinou"