25/11/2015


Pára

Tens de parar. A única coisa que te digo é que tens de parar. Parar de fugir do que te preocupa e do que te dói. Parar de racionalizar para não sentir. Parar de tornar os teus dias em redemoinhos densos e dramáticos. Pára. Fica. Só.

Começa a considerar que parar é importante. É, mais do que tudo, uma prioridade. Começa a considerar que estares assim, só contigo, é fundamental. Para que possas sentir-te. Para que possas alinhar na vibração da tua essência. Para que possas alinhar na tua mais alta vibração.

Porque, se alinhares na tua mais alta vibração, vais conseguir aceder ao que o céu tem de mais elevado para ti. E se conseguires compreender esta verdadeira função da essência, vais conseguir crescer mais depressa. E chegar mais alto. Como vês, ficar, só assim, parado, quieto, dentro de ti próprio, é um dos caminhos mais rápidos para a evolução.

E quando, aí, parado, quieto, conseguires sentir-te plenamente e conhecer a fundo a tua vibração, só nessa altura vais poder sair para executar os mais belos projectos na matéria. E nessa altura irás perceber que já consegues ser quem és. E nessa altura irás perceber que valeu a pena. 

Alexandra Solnado

18/11/2015

Quero Falar

Quero continuar a falar contigo, como sempre fiz. Sempre expressei as minhas opiniões, sempre comuniquei. Mas comunico de outra maneira. Não é por palavras. É por percepções. Eu sei que é difícil, que não estás acostumado. Estás acostumado a ver, ouvir, tocar, falar, ler, mas percepcionar… isso deve mesmo ser estranho para ti.

Faz uma coisa. Fecha os olhos. Respira. Pensa na respiração. Só. Permanece assim durante algum tempo. Depois pede. Pede para te ser retirado o ego. Hás-de sentir uma coisa enorme a sair. Depois pede para te ser retirada a resistência. Verás outra coisa grande a sair – aviso-te que tanto o ego como a resistência saem, mas apenas temporariamente.

Deixa uma luz entrar pela cabeça. Deixa-a percorrer todo o corpo. E depois pensa em mim. Sente-me. Percepciona-me. Eu estarei na tua maior paz. Estarei na maior luz que sentires entrar. Estarei na distância da vida quotidiana, na imensa distância que separa esse momento sensitivo que estás a vivenciar agora e a vida normal da matéria. E quanto maior a distância, maior a minha presença.

E um dia, quando tiveres feito este exercício muitas vezes, vais saber de mim. Eu estarei aí e irei fazer-me sentir. Cá te espero. 

Alexandra Solnado

12/11/2015

Fica Triste

Quando alguém de quem gostas muito te estiver a fazer mal... Fica triste. Entra em contacto com a tua dor pelas almas que não se conseguem entender. Fica simplesmente triste. Se estiveres mesmo triste, chora. O choro que vier será bem-vindo. E mostra a tua tristeza. Explica como isso te dói, e como era bom se se resolvesse. Convida essa alma a abrir o seu coração. Sem mágoa. Sem julgamento.

O julgamento é o que normalmente estraga as relações. A pessoa não abre o coração porque julga o outro. E como julga o outro, pensa que o outro também o julga. E fica zangado. E julga mais ainda e o círculo vicioso alimenta-se de uma maneira drástica. Esse é o círculo da dor.

Depois de mostrares o quanto te dói, pede para que essa pessoa abra o coração, por ti. Que se harmonize, por ti. Que se interiorize, por ti. E vais receber um favor. E vais saber sempre que aquela pessoa fez aquilo por ti. E vais agradecer.

E vais saber sempre que as pessoas fazem coisas por ti. E vais sempre receber. E vais sempre agradecer. E elas vão sentir, e vão fazer mais ainda, e vais agradecer mais ainda. E este é o círculo da felicidade.

Alexandra Solnado

04/11/2015

Sobe

Sobe, sobe, sobe. Vem ter comigo. Sobe pelos portais. Cada um há-de se abrir para que possas cruzá-los em depuração absoluta da tua energia. E a cada portal que passares, mais subtil ficará a tua energia, e mais capacidade terás para me sentires quando chegares cá acima.

Medita. Sobe. Deixa as tristezas aí em baixo. Deixa aí todas as preocupações, todas as leviandades, todo o orgulho, resistência e ego. Deixa aí em baixo tudo o que te limita como ser humano, tudo o que atrofia a justeza e dignidade da tua alma. Deixa isso tudo aí em baixo e vem.

E quando chegares cá acima, terei uma festa à tua espera em homenagem à tua convicção pura em subir, e para que te esqueças dos anos todos que passaste aí em baixo sem conhecer o significado da palavra amor.

E depois desta subida, quando voltares para a tua vida, estarás tão diferente, tão transformado, que irás emanar uma nova energia pacificada. E essa energia vai mudar o teu mundo. E tudo vai ficar diferente. E vais compreender a necessidade de subir. E vais conhecer o meu toque transformador. Vais senti-lo. E nunca mais vais olhar para a tua vida e acreditar que não há nada a fazer.

Vais saber que tens de subir. Que tens de vir cá acima sempre que for possível. Porque fazes parte de um grupo de pessoas que foi escolhido para transformar o mundo. Transformá-lo através da sua própria transformação. E eu conto contigo para essa tarefa. E sei que estás preparado para ela.

Alexandra Solnado

02/11/2015

Aventura-te

Eu falo contigo. Mesmo que tu não ouças, mesmo que não compreendas a minha voz, eu falo contigo. Falo através das flores, das frutas, da natureza. Falo através do que tu sentes sempre que te deres oportunidade de contemplar. E sempre que falo, digo-te o que fazer. O que é melhor para ti, a nível evolutivo e experimental. A nível de luz.

Mas nem sempre me ouves. Nem sempre olhas as flores, nem sempre contemplas. Nem sempre paras para me ouvir. Quando falo, dou-te conselhos, direcções. Mostro-te para onde vai a tua vida, e para onde devia ir, por onde és mais feliz e por onde mora a desgraça. A escolha é sempre tua. Só mostro caminhos. Não os escolho. E para quem não ouve, sobra a perda. Quem não me ouve não pode corrigir nada, apenas sofrer a perda e tentar aprender com ela.

A perda, seja ela qual for, serve para que compreendas que o caminho não estava certo. Mas qual é o verdadeiro caminho? Depois da perda, há a compreensão de que é necessária a mudança. Mas mudar para onde? Mudar para quê? É essa a resposta que deves empenhar-te em descobrir. Tens uma vantagem sobre todos os que não olham para os sinais. Sabes que é preciso mudar. Os outros ainda não sabem disso.

Resumindo: só te falta saber «onde» mudar. E para teres essa resposta, olha para o teu coração, olha para os teus mais íntimos planos. Aquilo que «sabes» que tens de fazer, embora ainda te falte a coragem; aquilo que achas ilógico, precipitado e imaturo. Quanto mais rótulos depreciativos o teu ego tiver colocado no teu sonho, mais forte ele será, e mais urgente também.

Aproveita a perda. Se o que achavas que era bom e seguro já não o é, se o que achavas que era certo já não o é, se o que consideravas «normal» não deu certo, então aventura-te. A perda já tens. O não já tens. Agora aposta no teu mais improvável sonho. Aproveita a perda para ires à procura da tua felicidade.

Alexandra Solnado