11/12/2013

Constelações familiares

No dia 26 de Dezembro, 5ª feira, vamos ter o Terapeuta de Desenvolvimento Pessoal - José Miguel O. Silva (Vila Nova de Gaia) - no centro Beladonna em Monção para fazer CONSTELAÇÕES FAMILIARES.

É uma terapia de grupo (mínimo 10 pessos).

Existem 2 maneiras de participar: 1 - Constelar (a pessoa apresenta o seu problema, tem um custo de 70€); 2- Assistir (a pessoa assiste à terapia e existe sempre algo que ressoa, tem um custo de 30€). É uma terapia óptima, desenvolvida por Bert Helinguer, um psicoterapeuta alemão, para tratar situações que se repetem na nossa vida (padrões) e das quais não conseguimos identificar a causa.

Tanto para constelar como para assistir, a duração é o dia todo (horário a combinar). De manhã, exploramos a teoria à volta das constelações familiares e à tarde será a parte prática. Eu já experimentei assitir e recomendo! Acontecem coisas mágicas! Desta vez, vou aventurar-me a constelar...

Deixo aqui mais alguma informação, sobre este método:

"As constelações familiares, ou sistémicas, são uma metodologia que permite ao cliente a possibilidade de olhar, ver, sentir, percepcionar ou perceber um determinado tema, questão, bloqueio ou situação. Apesar de denominado pelo autor – Bert Hellinger – de constelações familiares, esta poderosa ferramenta possibilita abordar qualquer tema para além dos familiares.

O princípio básico é a representação, por pessoas (representantes) ou objectos, dos elementos intervenientes em determinada questão, de forma a podermos ver e sentir a dinâmica presente nesse contexto. Por exemplo quando a questão é familiar representam-se os familiares do cliente, já quando a questão é profissional representam-se os colaboradores… e se for emocional representam-se as emoções.

Considerada uma abordagem muito verdadeira e por vezes bastante reveladora de situações até então “ocultas”.

"Se me perguntam em que casos poderemos utilizar as constelações, talvez numa primeira resposta direi que em todos os casos que não compreendemos algum sofrimento que se repete na nossa vida pessoal ou familiar… mas este método é excelente para muitas outras questões, temas de luto, divórcios, despedidas… ou ainda questões que envolvem escolhas e decisões onde as constelações podem ajudar a mostrar a imagem interna do cliente dando-lhe força para assumir a direcção que verdadeiramente pretende.
- José Miguel O. Silva (facilitador)"

De acordo com a terapia sistémica de Bert Hellinger, a harmonia na vida em família acontece quando cada um dos seus membros ocupa o seu lugar de direito, assume os seus papéis na vida, cuida de si mesmo e evita interferir no destino do outro.

A maioria das dificuldades pessoais e dos problemas de relacionamento decorre de desordens nos sistemas familiares. Essas desordens acontecem quando, sem termos consciência ou intenção de fazê-lo, incorporamos nas nossas vidas o destino de outras pessoas que, às vezes, viveram num passado distante. Isso faz com que repitamos o destino de membros da família que foram excluídos, esquecidos ou cujos lugares não foram reconhecidos.

As principais leis que atuam nas dinâmicas familiares parecem ser:

Todos têm direitos iguais de pertencer ao seu sistema familiar;
Há uma hierarquia na ordem de nascimento. Os que nasceram primeiro têm preferência sobre os que vieram depois;
Os pais dão e os filhos recebem,
A figura masculina ocupa a primeira posição na hierarquia, mas ela trabalha ao serviço da figura feminina.
A violação dessas leis pode ocorrer, de forma não intencional, de muitas maneiras:
Quando bebês são abortados, ou não se faz o luto pelos nados-mortos ou não se fala mais neles (não se reconhece a perda, não se expressa a tristeza sentida pela perda)
Quando crianças ou adultos jovens morrem e não se faz o luto por eles
Quando os filhos são doados para adoção e não se fala mais neles
Quando os pais adotivos não reconhecem os pais biológicos dos filhos adotados
Quando ex-parceiros ou relacionamentos importantes não são reconhecidos e honrados nos casais
Quando relações extraconjugais são mantidas em segredo
Quando vivências relacionadas com guerras não são lembradas e os mortos honrados
Quando há segredos de família
E muitas, muitas outras…

Quando qualquer das situações acima acontece, os efeitos são sentidos por muitas gerações, às vezes, duas ou três gerações depois. Esses efeitos manifestam-se sob a forma de suicídio, depressão, infertilidade, doença física ou mental e dependência química, com frequência sem que se tenha a menor consciência do que aconteceu nas gerações anteriores.

A violação da ordem natural do sistema causa emaranhados. As crianças começam a tornar-se como os pais, envolvem-se com as questões que dizem respeito aos pais, sofrem, elas próprias, na crença de que assim os pais sentir-se-ão bem. À medida que crescem, com frequência sentem raiva e algumas tentam rejeitar a própria família, numa tentativa de viver uma nova vida, separadamente. Às vezes, mudam-se para o outro lado do mundo para se desprenderem das questões familiares, mas isso não funciona. Quando permanecem ligadas às suas famílias desta forma, não estão livres para seguirem os seus próprios caminhos e, ao formarem um novo lar, nunca conseguem estar totalmente disponíveis porque ainda estão presas aos pais.

O que acontece num grupo de constelações?

O método da constelação é muito simples no seu processo básico. O terapeuta pede ao cliente, num grupo terapêutico ou de desenvolvimento pessoal, que posicione, de acordo com as suas mútuas relações, pessoas significativas relacionadas à questão ou necessidade apresentada por ele. São, por exemplo, pessoas mais íntimas de sua família de origem, às vezes apenas ele e os seus pais ou ele e um sintoma que o incomoda.

Para representar as personagens, o cliente escolhe certos participantes do grupo e posiciona-os no recinto, de acordo com as suas relações, sem fazer comentários. Isto deverá ser feito a partir do seu sentimento ou do “coração”, portanto, sem buscar justificações, sem escolher um determinado período da sua vida e sem imaginar determinadas cenas que vivenciou na sua família. Simplesmente deixa-se conduzir por um impulso interno indiferenciado e por uma atitude amorosa.

Normalmente é preciso haver clareza sobre quem representa uma determinada pessoa da família ou algum sintoma, como o “medo” ou alguma entidade abstrata, como o “segredo” ou a “morte”.

Eventualmente o terapeuta solicita ao cliente, no início do trabalho, informações sobre a história da sua família para sentir o “peso anímico” e saber com que personagens poderá começar a constelação. Quanto menos souberem os representantes mais a constelação se desenvolve a partir da energia do não julgamento. Contudo, via de regra, é apenas através de informações essenciais que uma constelação recebe o impulso para a sua condução. É surpreendente verificar que no decurso da constelação os representantes guiam-se mais pelo que sentem do que pelas informações do cliente ou pelas suposições eventualmente levantadas pelo terapeuta.

Depois de posicionar os representantes, o cliente senta-se. Após algum tempo de concentração, o terapeuta pede aos representantes que comuniquem os seus sentimentos, eventuais perceções e sintomas corporais. Eventualmente pode pedir-lhes que expressem os seus sentimentos apenas seguindo os seus impulsos de movimento ou então combina o movimento espontâneo dos representantes com perguntas, depois de algum tempo.

Dessa maneira, o conhecimento que a alma do cliente tem sobre a sua família e sobre as forças que nela atuam toma-se visível e experimentável para o próprio cliente, o terapeuta e todos os participantes do grupo. O decisivo é que o movimento dos representantes, seja ele autónomo ou conduzido pelo terapeuta, conduza a um final que traga liberação e alívio, a uma “imagem de solução”. Baseado nas informações anteriores, ele pode introduzir outras pessoas da família, por exemplo, os avós do cliente, uma ex-noiva do pai, ou uma criança que nunca nasceu.
A constelação fica em paz quando, ultrapassando a dinâmica do destino, os membros da família ali representados se reencontram com respeito e amor, os anteriormente excluídos são reintegrados e cada um pode assumir o lugar que lhe compete.

Quando a dinâmica e o caminho da solução ficam claros, o cliente é muitas vezes introduzido pessoalmente na constelação para sentir, no seu próprio lugar, o sistema reconciliado ou reordenado. Frequentemente, além do movimento dos representantes com vista ao futuro, as soluções demandam ainda um ritual, por exemplo, uma reverência ou uma frase curta entre determinadas pessoas ou entre o cliente e determinadas pessoas, principalmente os seus pais, para que o movimento da alma no seu conjunto possa ser levado a um bom termo e também para que fique claro para o cliente, através das frases, o que o prende e o que o solta no sistema."

Fonte: A prática das Constelações Familiares – Jakob Schneider citado por CTG: Centro de Terapias de Gaia

PARTILHEM COM QUEM POSSA ESTAR INTERESSADO!
E confirmem até dia 15, quem quiser participar.
Obrigada :-)

Sem comentários:

Enviar um comentário